driver

Nicholas Latifi


20

2 PTS


nationality
Canada
place
Montreal
date
29-06-1995
debut
2020

Nicholas Latifi

Nicholas Latifi começará seu terceiro ano na Fórmula 1 em 2022. Em 2020, Latifi foi derrotado confortavelmente pelo seu companheiro de equipe, George Russell, mas conseguiu diminuir a diferença entre eles em 2021. Em seu terceiro ano correndo pela Williams, o canadense vai querer provar de uma vez por todas que não está pilotando na principal classe do automobilismo apenas por causa de seu pai rico. 

F1 Standings

Pos.NameTeamPoints
1VERMax VerstappenRed Bull Racing454
2LECCharles LeclercFerrari308
3PERSergio PerezRed Bull Racing305
4RUSGeorge RussellMercedes AMG F1 team275
5SAICarlos SainzFerrari246
6HAMLewis HamiltonMercedes AMG F1 team240
7NORLando NorrisMcLaren122
8OCOEsteban OconAlpine F1 team92
9ALOFernando AlonsoAlpine F1 team81
10BOTValtteri BottasAlfa Romeo F1 team49
11RICDaniel RicciardoMcLaren37
12VETSebastian VettelAston Martin F1 team37
13MAGKevin MagnussenHaas F125
14GASPierre GaslyScuderia AlphaTauri23
15STRLance StrollAston Martin F1 team18
16SCHMick SchumacherHaas F112
17TSUYuki TsunodaScuderia AlphaTauri12
18ZHOGuanyu ZhouAlfa Romeo F1 team6
19ALBAlexander AlbonWilliams4
20LATNicholas LatifiWilliams2
21DEVNyck de VriesWilliams2
22HULNico HulkenbergAston Martin F1 team0

Outro pai canadense na Fórmula 1

Além de Lance e Lawrence Stroll, a Fórmula 1 tem um segundo piloto canadense em 2022 que pode contar com um pai que tem muito dinheiro. Michael Latifi é um empresário canadense que fez seu dinheiro com sua própria empresa Sofina Foods e investimentos em Lilydale e no Grupo Santa Maria, entre outros.

Latifi pai tem investido muito dinheiro na carreira de seu filho, mas também causou um rebuliço em 2018 com o seu investimento no Grupo McLaren. Com impressionantes 200 milhões de libras, Michael e sua empresa de investimentos Nidala adquiriram 10% das ações da McLaren, fazendo com que diversos rumores surgissem na época. No entanto, o investimento não parece ter qualquer relação com seu filho, pois Nicholas nunca chegou a fazer testes na McLaren e também não conseguirá um assento na equipe.

Nunca ganhou nada.

Que Latifi deve a sua carreira ao pai parece ser um comentário ciumento, mas assim como Lance Stroll, seu compatriota mal conseguiu se destacar em outras categorias do automobilismo. Latifi não se destacou no kart e quando ele fez a mudança para os carros de Fórmula em 2012, os olheiros que buscam talentos também não o notaram.

O piloto canadense conquistou uma vitória na Fórmula 3 italiana em 2012, não conquistando mais nada até 2017. Foi só então que o canadense conseguiu conquistar mais uma vitória na Fórmula 2. 

Enquanto isso, Latifi já havia sido contratado como um piloto de testes na Fórmula 1 desde 2016. Nos dois primeiros anos, ele trabalhou com a Renault para só depois então se mudar para a Force India em 2018. Em 2019, Latifi teria o mesmo papel na Williams, para só depois finalmente conseguir uma vaga como piloto titular em 2020.

Latifi não deixou uma boa impressão, pois mesmo em sua sexta temporada na Fórmula 2 (três anos de Fórmula 2 e três anos de GP2) ele não conseguiu se tornar campeão. Nyck de Vries era rápido demais para ele, mas Latifi conseguiu quatro vitórias, conquistando mais em uma temporada do que no resto de sua carreira inteira.

Estreia na Williams

Em 2020, Latifi se juntou à Williams, que na época passava por uma severa crise financeira e também de conhecimento. Em 2018 e 2019, a histórica equipe caiu forte e um piloto como Latifi poderia ajudá-la a voltar ao topo.

Em sua primeira temporada, o canadense foi derrotado por Russell, mas em 2021 ele demonstrou um crescimento visível. Latifi ainda estava muito distante de seu companheiro de equipe em termos de performance durante a maioria dos finais de semana, mas conseguiu diminuir a diferença no final da temporada.

Nicholas Latifi em 2022

Com as mudanças radicais no regulamento para 2022 se aproximando, Latifi também começará mais ou menos do zero. O canadense vai querer usar a oportunidade para silenciar os críticos e provar que ele é mais do que apenas um ativo financeiro para Williams.