tag-background-image

driver

Alexander Albon


13

0 PTS

nationality
Thailand
place
London
date
23-03-1996
debut
2019

Alexander Albon

Sem títulos na Fórmula Renault, Fórmula 3, Fórmula 2 ou qualquer outra grande categoria. Alexander Albon, de 27 anos, ficou no “quase” por muito tempo, mas em 2019 ele teve a chance de fazer a sua estreia na Fórmula 1. Ele se provou um sucesso e o britânico-tailandês foi promovido para a Red Bull Racing no meio da temporada. Ele precisou abrir espaço para a chegada do experiente Sergio Pérez após a temporada 2020, mas fez o seu retorno com a Williams em 2022.

F1 Standings

Pos.NameTeamPoints
1Max VerstappenRed Bull Racing0
2Sergio PerezRed Bull Racing0
3Lewis HamiltonMercedes AMG F1 team0
4Fernando AlonsoAston Martin F1 team0
5Charles LeclercFerrari0
6Lando NorrisMcLaren0
7Carlos SainzFerrari0
8George RussellMercedes AMG F1 team0
9Oscar PiastriMcLaren0
10Lance StrollAston Martin F1 team0
11Pierre GaslyAlpine F1 team0
12Esteban OconAlpine F1 team0
13Alexander AlbonWilliams0
14Yuki TsunodaVisa Cash App RB0
15Valtteri BottasStake F1 Team0
16Nico HulkenbergHaas F10
17Daniel RicciardoVisa Cash App RB0
18Guanyu ZhouStake F1 Team0
19Kevin MagnussenHaas F10
20Liam LawsonVisa Cash App RB0
21Logan SargeantWilliams0
22Nyck de VriesVisa Cash App RB0

Red Bull Júnior

Se você for bem no kart, logo entrará no radar das grandes equipes da Fórmula 1. Alex Albon se viu na mira da Red Bull Racing e recebeu a chance de ser um piloto júnior no programa de talentos. Uma vez sob a direção do time austríaco, o caminho tradicional foi seguido para preparar o jovem piloto para sua estreia na Fórmula 1.

Em 2014, Albon se colocou no mapa, após terminar a temporada como vice-campeão da Fórmula Renault 2.0. No ano seguinte, ele deu um passo à frente para correr na Fórmula 3 europeia, com mais uma mudança para a GP3 após uma temporada. O britânico-tailandês precisou se contentar com o vice-campeonato, perdendo a disputa para Charles Leclerc, mas ganhou uma promoção para a Fórmula 2.

Guerreiro de batalha

Após ser dispensado pelo programa de pilotos jovens da Red Bull, Albon ficou livre para escolher um caminho diferente do que a marca de energéticos normalmente faz com um piloto. Apesar disso, ele quis se provar e competiu em duas temporadas da Fórmula 2.

No primeiro ano, assim como aconteceu na GP3, Charles Leclerc dominou o campeonato, com Albon ficando apenas em décimo. Um ano mais tarde, ele foi bem e terminou em terceiro, atrás de George Russell e Lando Norris.

Com Russell e Norris promovidos à Fórmula 1, a dúvida era qual seria o futuro de Albon. Inicialmente, ele foi contratado pela Nissan e.dams, da Fórmula E, ao lado do piloto de testes da Red Bull, Sebastien Buemi. Mas tudo mudou de repente no final de 2019. Helmut Marko fez de tudo para trazer de volta o seu ex-prodígio para substituir Brendon Hartley e Pierre Gasly na Toro Rosso. Albon retornou como membro da família da Red Bull para correr ao lado de Daniil Kvyat, que também retornava à categoria em 2019.

O desempenho de Albon deixou uma impressão tão positiva em 2019 que a Red Bull não hesitou quando Pierre Gasly performou abaixo do esperado. O francês foi transferido de volta para a Toro Rosso, e Alexander Albon recebeu uma chance na Red Bull. A mudança deu certo e, ao final de 2019, Albon recebeu a confirmação: correria pela Red Bull novamente em 2020.

Mais uma vítima de Verstappen

Após uma temporada quando Albon iniciou sem experiência na Fórmula 1 e acabou sendo promovido para a Red Bull Racing, a sua preparação para 2020 foi muito melhor. Após perder dois pódios por situações que fugiam de seu controle, ele conquistou a tão esperada posição em Mugello. Mesmo assim, não foi o bastante para a Red Bull mantê-lo como segundo piloto, ao lado de Max Verstappen. A equipe optou pelo experiente Sergio Pérez, que, mesmo tendo contrato com a Racing Point (agora, Aston Martin), perdeu sua vaga para Sebastian Vettel.

Retorno de sucesso à F1 com a Williams

Em 2022, Albon recebeu uma nova chance da Fórmula 1 na Williams. O momento do seu retorno foi favorável. Graças ao novo regulamento e aos novos carros da Fórmula 1 em 2022, todos começaram relativamente do zero. Isso foi um fator positivo para Albon, que precisava de algum tempo para se readaptar após um ano afastado.

Após fazer uma boa temporada em 2022, Albon foi um dos pilotos de maior destaque da temporada 2023, marcando 27 dos 28 pontos da Williams e liderou a equipe ao sétimo lugar no Campeonato de Construtores, melhor colocação desde 2017.

Alex Albon em 2024

Em 2024, Albon seguirá como o líder da Williams. Ao lado de Logan Sargeant, o britânico-tailandês tentará seguir com a tendência de crescimento da escuderia britânica. Entrando em seu último ano de contrato, Albon pode se colocar em uma posição forte no mercado de pilotos. Com muitos acordos expirando ao fim do ano, ele pode ser um dos nomes mais cobiçados caso repita o desempenho de 2023.