Exclusive

vowles chefe de equipe williams f1 entrevista cultura albon

Vowles fala de seu trabalho na Williams e a importância de Alex Albon

9 de setembro no 08:00
  • Tim Kraaij

James Vowles tornou-se chefe de equipe na Fórmula 1 pela primeira vez no início deste ano. O ex-membro da Mercedes está impressionando como líder da Williams, que está começando a se reerguer sob sua liderança. Em uma entrevista exclusiva ao GPblog, Vowles explica o que encontrou na equipe, como está trabalhando para mudar a cultura e o impacto que Alexander Albon está tendo internamente.

Avanço sob o comando de Vowles

A Williams tem quase o dobro de pontos da equipe de trás mais próxima, a Haas (11 pontos) e parece estar caminhando para sua melhor colocação no campeonato de construtores desde 2017. Naquela época, eles tiraram o máximo proveito do motor Mercedes extremamente potente. Agora, a Williams está fazendo isso por conta própria.

Não podemos separar o bom momento da equipe da chegada de Vowles. O britânico fazia parte da British American Racing (BAR) desde 2001, que mais tarde se transformou em Honda, BrawnGP e Mercedes. Na última marca, Vowles foi promovido a diretor de automobilismo e tornou-se uma força extremamente valiosa dentro da equipe. Tê-lo como sucessor de Jost Capito foi visto como uma grande contratação.

Mais de seis meses depois, as coisas estão muito melhores na Williams. A equipe que terminou em último lugar na classificação em quatro das últimas cinco temporadas está novamente maximizando as qualidades do carro sob o comando de Vowles e agora está em 7º lugar no campeonato. Com isso, eles deixaram para trás a Alfa Romeo, a Haas e a AlphaTauri.

Analisando os primeiros meses na Williams

"Estou orgulhoso do que esta equipe fez nos últimos oito meses. A direção da viagem é positiva. Estamos realmente caminhando na direção certa. Você pode ver que há muitas pessoas que acreditam na direção da viagem. Se você olhar para algumas das corridas deste ano, as duas que se destacam são Montreal e Silverstone. Tiramos tudo o que podíamos e mais do que tínhamos como pacote. Estou orgulhoso disso", disse o chefe de equipe de 44 anos.

Antes disso, havia muitos pontos de interrogação sobre a chegada de Vowles. Qual seria a vantagem de ir para a Williams? Uma equipe em que o tempo parece ter parado nos últimos anos devido à falta de investimento. No entanto, Vowles enfatiza que as pessoas têm muito potencial, como ficou evidente com os sucessos desta temporada.

"Normalmente, quando você muda uma cultura, isso leva muitos anos. Você não pode fazer isso da noite para o dia. Mas o que me surpreendeu foi que, em seis meses, já vimos o início da mudança de cultura. Não mudamos a cultura. Vimos o início. Isso é raro em uma organização tão grande. Isso significa que tínhamos uma organização que estava pronta para passar por mudanças e que acreditava na direção da viagem que eu estava apresentando a eles", continuou.

Albon se torna o líder da equipe

Outra surpresa positiva que Vowles menciona é Alexander Albon. Os dois já se conheciam, mas Albon causou uma boa impressão em seu novo chefe de equipe. "Acho que Alex deu um passo à frente, e trabalhamos muito bem juntos". Fica claro o papel significativo que Albon desempenha na Williams quando Vowles é questionado sobre a importância de um líder como o seu piloto.

"É muito importante. A equipe vai se espelhar e ouvir algumas vozes dentro da equipe. E uma delas, sem dúvida, será a dos pilotos, normalmente de ambos. O piloto pode descrever o que está acontecendo [no carro] e quais são as limitações. Eles podem fazer isso de uma forma que deixe claro para os engenheiros e projetistas o que fazer."

"É uma idade incrivelmente jovem (27 anos) para alguém ser um líder nesse ambiente, mas você precisa dessa orientação. Os dados do carro são incríveis, mas não dizem tudo a você. Os dados do carro só informam a você as limitações que o piloto está enfrentando. Você precisa entender o que o está limitando e qual é o limite. Os dados do carro não ajudarão você tanto quanto o piloto", diz Vowles.

A "cultura sem culpa"

Enquanto Albon desempenha seu papel para melhorar o desempenho do carro, Vowles está mais preocupado com a cultura da Williams. De acordo com Vowles, as pessoas tinham medo de cometer erros e, portanto, não progrediam. Sob a liderança dele, foi introduzida, e com sucesso, a "cultura de não culpar", que também é altamente considerada na Mercedes. A questão é: por que essa cultura é tão importante para Vowles?

"Se você estivesse trabalhando para mim, eu precisaria que você nunca questionasse se deveria ou não ultrapassar os limites, desenvolver e inovar, porque tem medo de cometer um erro ou de perder o emprego. Assim que você tem uma cultura de medo, duas coisas acontecem. Em primeiro lugar, você fará o que é seguro. Assim, em vez de se esforçar, você vai até o limite porque sabe que isso é confortável. Você não vai se esforçar mais do que isso. Em segundo lugar, quando surge um problema, a primeira coisa que você faz é escondê-lo. Não o mostra ao mundo e vai embora. Não mostrá-lo ao mundo e dizer: 'Entendi errado. Aqui está o porquê de eu ter entendido errado'."

"A quantidade de fracassos que tive em minha carreira é enorme. Cada um deles, desde que você fale abertamente sobre ele e o trate corretamente, me tornou muito, muito mais forte. O sucesso não torna você mais forte de forma alguma. Você se senta e diz: 'sim, muito bem'. Quero criar um ambiente que estimule a inovação. Quero estimular o desenvolvimento. Quero incentivar o trabalho em equipe. Quero incentivar que, se você fracassar, aprenda com isso. E depois ensinar aos outros ao seu redor a mesma coisa."

Mas como você faz para preencher a lacuna entre o desenvolvimento e o desempenho? Na Fórmula 1, o resultado é o que conta, e às vezes você precisa tomar decisões difíceis. "Ganharemos e perderemos juntos", disse Vowles. Para Vowles, o que importa é como a diferença em relação às equipes de topo será fechada.

"Se você olhar para onde estamos no momento, do que precisamos? Precisamos ter uma taxa de desenvolvimento melhor do que a das três primeiras equipes do grid para podermos nos recuperar. Se você fizer menos do que eles, não conseguirá alcançá-los. Então, como você faz isso? Você não pode fazer o mesmo. Eles têm equipamentos mais estabelecidos, ambientes mais estabelecidos, mais pessoas e mais dinheiro do que nós."

"Portanto, temos que nos certificar de que estamos assumindo todos os riscos possíveis para ultrapassar os limites. E nós falharemos. Vamos cometer erros. E eu já expliquei à equipe que não me importo com isso. Em 2023/2024, cometam erros, fracassem e aprendam com eles. Porque essa é a única maneira de fazermos algo que vai ultrapassar os limites que nos permitem fazer um trabalho melhor do que o de outras pessoas. Isso leva tempo", completou Vowles.

Diferença para as principais equipes

Isso traz à tona o ponto crítico: quanto tempo isso levará? A Alpine/Renault sempre definiu um número de anos ou um número de corridas como metas, mas Vowles não quer começar por aí. "Demora anos", ele ressaltou. Mas o que é preciso ser feito para subir na hierarquia da F1?

"A Williams é uma organização incrível, mas ficou sem o investimento necessário nos últimos 20 anos. E você não precisa confiar nas minhas palavras. Na Inglaterra, todas as contas são públicas, então você pode olhar as contas e ver o quanto investimos. Posso então mostrar a você quanto tive a sorte de gastar na Mercedes. Os números não chegam nem perto. Portanto, como resultado disso, havia algumas instalações na Williams que estão desatualizadas há 20, 25 anos", diz o chefe de equipe.

Por exemplo, Vowles explica a "máquina de gravação a laser" na fábrica. Enquanto a da Williams é tão grande quanto o paddock da Fórmula 1, a da Mercedes é do tamanho de uma mesa. Os sistemas digitais também estão em falta na Williams. São necessários dezenas de milhões para desenvolver esses sistemas.

O problema para a Williams, que pode investir dinheiro sob a liderança da Dorilton Capital, é que agora há um limite orçamentário para esses investimentos. Vowles acha que o limite orçamentário é uma boa ideia, mas com o limite orçamentário para as instalações, as equipes de ponta têm uma vantagem que as equipes pequenas não conseguem alcançar facilmente. Para Vowles, isso é completamente irritante. Como parte da Mercedes, ele votou a favor dessas regras há alguns anos, e agora elas estão trabalhando contra ele.

"Temos que ser sensatos como esporte. Queremos que isso seja uma meritocracia. Queremos que seja um esporte. E não é o caso no momento. Estou correndo sem um tênis. E não tenho o tênis ideal para correr. Outras pessoas têm o tênis ideal e um lançador de foguetes nas costas. Portanto, precisamos igualar o esporte. O problema é que levará tempo para que as pessoas entendam isso. É difícil para as pessoas ao nosso redor aceitarem que estamos prontos para gastar centenas de milhões a mais, e não pequenas quantias."

Vowles continua a pressionar fortemente por mudanças nessas regras para tornar o esporte mais igualitário para todos os participantes. Não é segredo que isso leva tempo, mas Vowles já mostrou que pode maximizar o desempenho com os recursos disponíveis na Williams.