F1 News

Roberto Merhi sobre correr na Fórmula 1

"Sem o carro certo, correr na Fórmula 1 não faz sentido", afirma Merhi

10 de junho no 14:00
  • Ludo van Denderen

Assim como quase todos os jovens pilotos, Roberto Merhi também via a Fórmula 1 como seu objetivo final. Ao contrário de muitos de seus colegas, ele de fato conseguiu chegar na categoria principal do automobilismo, mas na pequena equipe da Manor Racing, onde o espanhol não conseguiu se firmar. Tão rapidamente quanto a aventura começou, a Fórmula 1 se tornou passado para ele.

Há alguns anos, Merhi faz parte do grupo de pilotos esquecidos da Fórmula 1. Há cada vez mais deles: pilotos que fazem testes por uma ou duas temporadas, geralmente em uma equipe da parte de trás do grid, apenas para serem afastados sem mais oportunidades. Essa é a dura realidade do automobilismo. Às vezes, eles não são bons o suficiente para chegar a uma equipe de ponta, ou disputam batalhas durante os Grandes Prêmios que nunca podem ser vencidas e são julgados por todos pelo resto da carreira apenas com base nesses desempenhos "decepcionantes".

"Perda de tempo"

Depois de anos investindo em si mesmo para finalmente chegar à Fórmula 1, seu melhor resultado foi um 12º lugar em Silverstone. Com a Manor, Merhi era basicamente um figurante. bom estar na Fórmula 1, mas se você não puder ter o carro certo e o equipamento certo para ter um bom desempenho e mostrar suas habilidades, não faz sentido", disse Merhi, que recentemente entrou na Fórmula E pela equipe Mahindra, durante uma entrevista ao GPblog. "Porque você só perde seu tempo e seus melhores anos tentando chegar à Fórmula 1".

Depois de sua temporada na Manor, Merhi competiu em várias outras categorias. Ele até retornou (temporariamente) à Fórmula 2. Em 2022, ele disputou algumas corridas pela Campos. "Mas, no fim das contas, quando eu estava na Fórmula 2, não era como se eu estivesse assinando por um ano inteiro. Era sempre uma ligação de última hora, como: 'Ei, Roberto, você pode vir?' E, como piloto, correr em um Fórmula, mesmo em um Fórmula 2, com muito downforce, com carros adequados, nós gostamos de correr com esses tipos de carros. Quando será a última vez que vou pilotar um Fórmula 2? Achei que não voltaria a pilotar, mas no ano passado me chamaram para fazer isso novamente. Como vou dizer não a essa oportunidade? Eu sei que talvez não possa ir para a Fórmula 1 porque não tenho o orçamento, talvez não tenha a idade, mas é uma boa experiência de vida que você aproveita. Como talvez Fernando agora, ele quer correr na Fórmula 1 porque ele gosta".

Merhi tinha muito talento

Merhi estava no grid com Alonso e também com seu bom amigo Carlos Sainz em 2015. Talento para ter uma carreira semelhante à dos dois ícones atuais do automobilismo espanhol, o atual piloto da Fórmula E tinha. "Se você observar minha carreira na Fórmula 3, eu dominei o campeonato no último ano. Ganhei com muitos pontos, e o nível no grid era muito bom".

Ele continuou: "Na Fórmula Renault, eu era dois anos mais jovem que Bottas e Ricciardo. Não vou dizer que estava ganhando deles, mas diria que estávamos no mesmo nível, pelo menos. Eu tinha 16 anos, e eles, 18. Nessa idade, isso faz um pouco de diferença. Não é como quando você tem 24 ou 26 anos. E eu pude competir com eles e estar no mesmo nível. Pelo menos em pista molhada, eu era mais rápido, na pista seca éramos bem parecidos, todos os três. E também na World Series, eu estava disputando contra Carlos [Sainz], e ele é um dos melhores pilotos de Fórmula 1 no grid atualmente. Eu estava disputando contra Gasly. Para ser sincero, eu estava à frente de Gasly, mesmo que ele tivesse vencido o campeonato, mas meu carro quebrou nas duas últimas corridas. Mas você precisa estar no momento certo, na hora certa. Essa é a Fórmula 1. Tenho certeza de que se o cara mais talentoso do mundo começar a correr agora e não estiver no momento certo, ele nunca conseguirá mostrar seu potencial".

Merhi dá o exemplo de Daniel Ricciardo. "Imagine, vamos dar o exemplo de Ricciardo. Ele vai para a Fórmula 1 e seu primeiro ano e sua primeira experiência é com a McLaren. Obviamente, todo mundo vai achar que ele não é bom o bastante para a Fórmula 1. Então, vão expulsá-lo da Fórmula 1. Mas, na verdade, ele mostrou que tem uma capacidade muito boa com a Toro Rosso, com a Red Bull e com a Renault. Mas com a McLaren, não deu certo. E é uma equipe muito boa. Ele ganhou uma corrida, inclusive. Mas, sabe, acho que é importante estar na hora certa no momento certo e a equipe se adaptar a você e o carro se adaptar ao seu estilo e você estar feliz com a equipe. É isso que faz a última diferença", disse o espanhol.