Column

Novo contrato de Tsunoda prova que programa da Red Bull está em baixa?

Novo contrato de Tsunoda prova que programa da Red Bull está em baixa?

22 setembro - 17:58 Última atualização: 18:57
0 Comentários

GPblog.com

Yuki Tsunoda é um verdadeiro personagem. Qualquer um que veja o japonês andando pelo paddock, com apenas 1,59 metro de altura, rapidamente o caracteriza como um homenzinho tímido. Mas assim que Yuki entra em seu carro e encontra algo que não gosta, ele abre a boca com um saco misto de palavrões. Terapias para controlar seu temperamento têm tido algum efeito nos últimos anos, mas Yuki continua sendo Yuki.

Helmut Marko, o grande homem por trás do programa de jovens pilotos da Red Bull, colocou Tsunoda na AlphaTauri no início da temporada passada. Em parte para agradar ao fornecedor de motores Honda, mas também na crença de que Tsunoda tinha a velocidade para se tornar um fator de importância na Fórmula 1. Depois de quase duas temporadas, é justo fazer um balanço. Tsunoda conseguiu estar à altura das expectativas? Infelizmente, a resposta tem que ser "não".

Memorável?

Claro, o piloto japonês conseguiu acumular 43 pontos em 38 Grandes Prêmios. Mas há uma corrida de Tsunoda que pode ser classificada como memorável? Uma em que ele espantou todo o paddock? Abu Dhabi 2021 pode chegar perto, embora os fãs das corridas tenham ficado mais atentos à briga pelo título entre Lewis Hamilton e Max Verstappen. Fora isso, Tsunoda vem decepcionando.

No entanto, a AlphaTauri escolheu deixar Tsunoda competir em sua terceira temporada. No passado, um piloto que tivesse mostrado que não tinha o potencial de progredir para a Red Bull já teria caído no esquecimento há muito tempo, mas Tsunoda terá uma segunda chance. Por quê? A resposta é simples: não há mais ninguém disponível.

Talentosos, mas sem alto desempenho

No muito elogiado programa de treinamento da Red Bull, Ayumu Iwassa, Dennis Hauger e Jehan Daruvala são pilotos decentes com alguns destaques positivos na Fórmula 2, mas eles não estão na frente nesta temporada. Talentosos? Definitivamente. Potencialmente os melhores pilotos para a Fórmula 1? No momento, não.

À primeira vista, Liam Lawson (também correndo na F2) é o mais avançado em seu desenvolvimento. Na última temporada, ele terminou em segundo lugar no altamente considerado campeonato de DTM, com Alexander Albon (agora na Williams) como seu colega de equipe. Lawson também participou do primeiro treino livre em Spa nesta temporada pela AlphaTauri. No entanto, seu nome mal é mencionado quando se fala em suceder Pierre Gasly, que é cobiçado pela Alpine.

Bola de segurança

É provável que a AlphaTauri não ouse iniciar uma temporada com o imprevisível Tsunoda e um novato que mal pilotou um carro de Fórmula 1. O interesse em Nyck de Vries, portanto, faz sentido, mesmo que o holandês tenha feito sua estréia na categoria há apenas duas semanas. Através de seu trabalho de teste para Mercedes, Williams e Aston Martin, de Vries tem uma rica experiência e, ao contrário de Tsunoda, muita calma.

O fato é que de Vries não está ligado ao programa júnior da Red Bull. Assim como Sergio Pérez, que veio de fora da academia para ocupar o lugar ao lado de Max Verstappen. Nem Colton Herta, inicialmente o foco para se juntar à AlphaTauri. Mas a Red Bull pode ser culpada por precisar procurar fora de seu próprio programa? Não, agora há uma nova realidade.

Caminho seguido por outras equipes

O comprovado programa de treinamento da Red Bull tem sido emulado por todas as outras equipes da Fórmula 1 nos últimos anos. Enquanto a Red Bull costumava ser a única a fazer esse trabalho de captação de talentos, o resto do paddock agora também está comprometido com o treinamento de jovens pilotos. Às vezes, um piloto extremamente talentoso está em seu programa, outras vezes está no de alguma rival. No momento, a Red Bull não tem um "novo Max" entre seus juniores.

Certamente, Tsunoda não vai se importar com a falta de potenciais substitutos no momento. Nyck de Vries também não. E os fãs da Fórmula 1? Podem aproveitar da ira de Tsunoda pela rádio da equipe por pelo menos mais um ano.

Este artigo foi publicado originalmente na edição holandesa do GPblog, escrito por Ludo van Denderen

Reprodutor de vídeo

Mais vídeos