Column

Resiliência será a chave para Drugovich na Fórmula 1

Resiliência será a chave para Drugovich na Fórmula 1

12 setembro - 16:20 Última atualização: 12 setembro - 16:20
2 Comentários
Author profile picture

Marcos Gil

Felipe Drugovich dominou a temporada 2022 da Fórmula 2 e se sagrou campeão com três corridas de antecedência. Um dia após o Grande Prêmio da Itália, ele foi anunciado como primeiro piloto do novo programa de desenvolvimento da Aston Martin. Com isso, ele se coloca como brasileiro com mais chances de estar na Fórmula 1 nos próximos anos. Mas é difícil imaginar isso acontecendo na equipe britânica.

Carreira cheia de obstáculos

A trajetória de Drugovich até a Fórmula 1 não foi tão linear quanto de alguns dos jovens pilotos que chegaram à categoria recentemente. Apesar de ter algum apoio financeiro de sua família, o piloto de 22 anos é mais um caso de brasileiro que sofreu para atrair patrocinadores para custear sua passagem pelo automobilismo europeu. Isso o obrigou a ter muita resiliência e certa criatividade. Após sair da Fórmula 4, por exemplo, "Drugo" não fez o caminho natural migrando para a FIA Fórmula 3 Europeia ou GP3, mas sim para a EuroFórmula Open, uma alternativa mais barata aos principais campeonatos deste nível na Europa, mas que nunca conseguiu atrair os principais pilotos. Quando voltou à "escada tradicional da FIA", na Fórmula 3, seu orçamento lhe permitiu apenas uma vaga em uma Carlin que já não vivia seus melhores dias e não lhe permitiu fazer um campeonato acima do discreto. Foi então que o talento e, novamente, a inteligência de Drugovich deu um novo rumo à sua carreira.

Sem um orçamento que lhe desse chance em uma das principais equipes da F3, o brasileiro decidiu ir para a Fórmula 2, correndo pela MP Motorsport. A aposta era surpreender em uma equipe que sempre teve resultados discretos para atrair patrocinadores e dar um salto no ano seguinte. O tiro foi certeiro, o brasileiro venceu três corridas em seu ano de estreia e chamou a atenção da UNI-Virtuosi para 2021. Após um ano abaixo na equipe, que parecia distanciá-lo do sonho da F1, Drugovich voltou à MP Motorsport e o encaixe com a equipe holandesa deslanchou o seu desempenho, levando o brasileiro a dominar a F2 em 2022 e se sagrar campeão com três corridas de antecedência. E um dia após o Grande Prêmio da Itália de F1, todas as apostas de Felipe foram recompensadas: ele foi anunciado como o primeiro piloto do programa de desenvolvimento da Aston Martin. A partir de agora, Drugovich está oficialmente ligado a uma equipe de Fórmula 1, algo inédito em sua carreira, e poderá participar de sessões de testes e treinos livres com a equipe. Porém, a resiliência precisará novamente prevalecer para converter a posição em uma vaga de titular.

Haverá espaço para Drugovich na Aston Martin?

A Aston Martin tem como dupla de pilotos para 2023 o veterano Fernando Alonso, com um contrato multi-anual e que parece não envelhecer nunca, e um Lance Stroll com maior estabilidade do que seus resultados presumem, por ser filho do dono da equipe. Com isso, é muito difícil imaginar que o time britânico tenha um assento para oferecer a Drugovich em 2024. Então, em um ano em que muitos pilotos estarão encerrando seus contratos e que o mercado deverá ser ainda mais agitado, o brasileiro precisará impressionar nas oportunidades que terá em eventuais sessões de treinos livres e testes coletivos para mostrar que merece ser contratado por outra equipe, mesmo que seja por empréstimo, visando retornar à Aston Martin futuramente.

A partir de agora começa a corrida mais importante da carreira de Drugovich, a qual ele já provou mais de uma vez ser capaz de vencer. Abrir portas e cavar oportunidades improváveis vem sendo uma constante até aqui e ele vem dando conta da tarefa de forma excepcional. Então, ninguém mais indicado para encarar essa aventura em 2023 que ele. Resta ver se ele terá o necessário para, mais uma vez, fazer florescer oportunidades que hoje não parecem bater à sua porta e dar o último passo para realizar o seu sonho de representar o Brasil na categoria máxima do automobilismo mundial.

Reprodutor de vídeo

Mais vídeos