Rowland: "Fora a F1, não há campeonato mais difícil que a Fórmula E"

Mediabank Formule E

Interview

Rowland: Fora a F1, não há campeonato mais difícil que a Fórmula E
12 de abril no 15:41
Última atualização 12 de abril no 15:44
  • Ludo van Denderen

Nenhuma das previsões para a temporada da Fórmula E mencionou seu nome como um dos candidatos ao campeonato. A briga esperada era entre os pilotos da Jaguar, Andretti e Porsche. No entanto, depois de cinco E-Prixs, Oliver Rowland surpreendentemente (e merecidamente) se acomodou em terceiro lugar na classificação, com a Nissan. "Espero que este seja o meu momento. Acho que no próximo ano e no ano seguinte, podemos realmente ser candidatos ao campeonato".

Rowland esteve no pódio em cada uma das três últimas corridas. Na Arábia Saudita, ele terminou o fim de semana em terceiro lugar, a mesma posição que ocupou em São Paulo, e há duas semanas, em Tóquio, o britânico terminou em segundo. Largar na pole na capital japonesa e liderar por um bom tempo poderia ter se transformado em uma vitória. "Sim, é uma corrida complicada", disse ele quando o GPBlog perguntou se ele estava desapontado com o segundo lugar em Tóquio.

"Ao entrar na temporada, tínhamos a expectativa de construir e conseguir alguns pódios. Ficar desapontado por não ter vencido uma corrida na quinta corrida é algo bom. Foi um pouco decepcionante não ter conquistado a vitória ao largar na pole, especialmente naquela pista onde é difícil ultrapassar. Mas, rapidamente, em retrospectiva, entendi que fizemos um bom fim de semana para ter o desempenho que tivemos, com a pressão de ter todos da Nissan lá, uma agenda bastante ocupada durante a semana, o jet lag e todo esse tipo de coisa".

Rowland retornou à sua antiga equipe

A Nissan e Rowland têm uma relação próxima. O britânico competiu pela fabricante japonesa entre 2018 e 2021 antes de se transferir para a Mahindra. Desde esta temporada, Rowland está de volta à sua antiga equipe. "Ao voltar para a Nissan, eu tinha esperança de que eles tivessem um bom pacote. Tudo o que eu vi no ano passado apontava para uma reconstrução, e eles tinham um carro muito bom".

"Então, sim, eu estava esperançoso, mas estou surpreso que tenha sido tão bom quanto foi. Porque sabemos que, com nosso hardware, temos algumas deficiências. O plano é que no próximo ano tenhamos uma atualização bastante significativa. E se já podemos lutar agora [pelas vitórias], então isso é um bom presságio para o próximo ano. Portanto, estou um pouco surpreso, mas é uma boa surpresa, e com certeza vou aceitá-la".

O título com a Nissan é possível?

Com cinco vencedores diferentes em cinco corridas, mais uma vez fica claro que as diferenças na Fórmula E são marginais. O campeonato nessa categoria geralmente é vencido pelo piloto mais consistente, não necessariamente o piloto com mais vitórias. Rowland é consistente. "No momento, sim. Estamos apenas em cinco corridas. Mas eu concordo plenamente [com relação à consistência]".

Ainda assim, Rowland diz: "Não nos vejo como candidatos ao título porque, ao chegar a pistas como Misano, Xangai e Portland, sabemos que nos falta eficiência nas corridas, e elas serão corridas super sensíveis à energia. Será um pouco mais difícil para nós nessas corridas, mas acho que se conseguirmos voltar a ficar entre os cinco ou seis primeiros neste fim de semana [em Misano], então acho que podemos começar a considerar que pode haver uma chance de nos tornarmos consistentes e ainda estarmos próximos no final da temporada".

Rowland pronto para brigar pelo título

Rowland está agora em sua sétima temporada na Fórmula E, sendo que as duas temporadas anteriores na Mahindra, que não era competitiva, foram difíceis, para dizer o mínimo. "Os últimos dois anos foram muito difíceis, mas me ensinaram muito em termos de pilotagem e de como gerenciar algumas coisas relacionadas à equipe. Acho que agora já tenho a experiência necessária. Ainda sou claramente rápido, o que é bom. Eu estava um pouco preocupado com isso no início do ano".

"Espero que este seja o meu momento. Como eu disse, não é tanto este ano, mas acho que no ano que vem e no ano seguinte, podemos realmente montar um ano forte para disputar o campeonato. Então, acho que essa tem que ser a meta. Ainda precisamos manter os pés no chão, porque este ano ainda é uma longa temporada. Há muitas pessoas competitivas lá. Portanto, temos que continuar trabalhando e melhorando as pequenas áreas que pudermos", disse Rowland.

Fórmula E crescendo novamente

Enquanto isso, a Fórmula E está crescendo como classe, depois de - de acordo com Rowland - ter ficado em um patamar em termos de popularidade por vários anos. "O carro Gen3 veio, que provavelmente não era tão bonito quanto poderia ter sido. Os pneus não eram tão bons quanto poderiam ter sido. Talvez tenha faltado um pouco de impulso, digamos assim. Mas acho que este ano eu certamente notei que houve uma espécie de revalorização, muito mais pessoas interessadas", argumenta Rowland, que viu as arquibancadas lotadas no México e no Japão e os organizadores fazendo fila novamente para sediar um E-Prix.

"A Fórmula 1 está em outro planeta em termos de visibilidade e quantidade de interesse. Obviamente, o WEC também está em uma curvatura bastante acentuada com todos os novos fabricantes e esse novo LMPH. Mas acho que o que você vê na Fórmula E é como um grid ultracompetitivo, em que, em parte, é a máquina, mas também os pilotos podem se enfrentar e não acho que haja um campeonato mais difícil para um piloto fora da Fórmula 1. Certamente há o WEC, a Fórmula Indy e coisas do gênero, mas acho que os desafios que temos em termos de circuitos, circuitos de rua, são muito, muito trabalhosos. Acho que todos estão se saindo bem no momento, WEC, F1 e Fórmula E. Fico feliz em ver que a Fórmula E parece estar de volta a uma trajetória ascendente".

Dos circuitos de rua para Silverstone?

A próxima etapa do crescimento da Fórmula E é correr com mais frequência em circuitos "tradicionais". Misano é o próximo exemplo. Dizem que Silverstone também está sendo cogitada para substituir o circuito de rua de Londres. "Acho que precisamos melhorar nosso desempenho para correr nessas pistas e ser um bom espetáculo. Estou em cima do muro. Silverstone é um ótimo lugar. Não sei se nossos carros estão prontos para andar em um circuito como esse em sua capacidade total", respondeu Rowland.

"Do meu ponto de vista puramente de pilotagem, eu realmente gosto de circuitos de rua e isso faz parte do DNA da Fórmula E, portanto, quero que isso permaneça. Mas acho que para a Gen4 a especificação do carro é enorme. O ganho de desempenho pode ser enorme, então podemos começar a pensar em estar nesses tipos de circuitos e ver como os carros podem se sair em uma volta mais longa".