F1 News

Qual o futuro da Honda na F1 após a chegada da Ford?

Qual o futuro da Honda na F1 após a chegada da Ford?

4 fevereiro - 11:50 Última atualização: 11:55

GPblog.com

Parecia apenas mais uma frase entrelinhas: "Desejamos à Honda tudo de bom para 2026", disse Christian Horner, depois que a Red Bull Racing e a Ford anunciaram sua parceria em Nova York na sexta-feira, terminando assim o casamento da equipe austríaca com a fabricante japonesa de uma vez por todas. Oito palavras simples, mas com enormes consequências. De fato, elas parecem anunciar o fim da Honda na Fórmula 1.

Momentos antes, todos estavam muito felizes na Red Bull. Horner estava eufórico com a parceria com a Ford e falou da "sinergia natural" que ambas as marcas sentiram uma com a outra desde o início. Sentenças para um efeito semelhante também foram proferidas por Horner há alguns anos, só que naquela época as palavras eram direcionadas à Honda. E de fato, a parceria com a empresa japonesa foi um sucesso, resultando em dois títulos de pilotos e um campeonato de construtores.

"Apenas" a Honda

No entanto, o casamento entre a Red Bull e a Honda logo estará terminado. Ambas as partes já estão vivendo separadas uma da outra, só para fazermos uma comparação com um casamento entre duas pessoas. Um dos parceiros já assumiu o nome de solteiro novamente, mesmo que os dois ainda estejam ligados. De fato, até 2025, Red Bull e Honda estarão trabalhando juntas nos Red Bull Powertrains, basicamente 'apenas' uma unidade de potência da Honda.

Será que eles nunca se sentiram ridículos no Japão quando se despediram da Fórmula 1 no final de 2021 e deixaram a Red Bull usar os motores com sua própria marca? Tudo tinha dado certo, até mais do que isso. A Honda estava de volta ao topo do automobilismo. Só que os japoneses escolheram não colher os benefícios desse sucesso, já que ficaram bastante invisíveis nos carros de Max Verstappen e Sergio Pérez.


Pegando carona no sucesso

Não foi uma surpresa que a Honda tenha intensificado sua parceria com a Red Bull (e AlphaTauri) no decorrer de 2022, pelo menos para conseguir uma fatia da torta. O nome Honda, portanto, figurou de forma proeminente nos carros das equipes. Aparentemente, o sucesso fez com que a fome voltasse a crescer, então uma carta de intenção foi enviada à FIA para ser uma das fornecedoras de motores na F1 a partir de 2026.

Os sinais eram claros: a Honda estava considerando seriamente um retorno à Fórmula 1. No entanto, após o anúncio da Ford e da Red Bull, é pouco provável que ela realmente volte. Afinal de contas, para onde a Honda poderia ir? Alpine, Mercedes, Ferrari, Red Bull, AlphaTauri e Audi (agora Alfa Romeo/Sauber) obviamente não são uma opção. Restam a McLaren, Haas, Aston Martin e Williams.


Quais são as alternativas?

McLaren e Honda trabalharam juntas pela última vez entre 2015 e 2017, e não deu nada certo, para dizer o mínimo. Tanto o design dos carros da McLaren quanto as unidades de potência da Honda eram bem inferiores, fazendo com que a equipe fosse o motivo de chacota no paddock. Tentar uma nova parceria para 2026 parece ilógico, pois foi revelado após a separação que a sinergia - a palavra que Christian Horner gosta tanto de usar - praticamente não existia.

A Aston Martin é parcialmente propriedade da Mercedes-AMG Petronas Motorsport e de seu chefe, Toto Wolff. Além disso, "Aston Martin-Honda" soa um pouco estranho: por que uma marca se ligaria a outra, se a Aston Martin é quase uma 'equipe B' da Mercedes? Então só restaria a Haas e a Williams, atualmente equipes de empresas privadas, e nada sugere que esse status vá mudar em breve.


Nada a ganhar

É claro que a Honda poderia unir forças com a Haas ou com a Williams. Mas não há nada que os orgulhosos japoneses possam ganhar (literal e figurativamente) de uma parceria com tais equipes. A unidade de potência Honda pode ser poderosa o que for, se a Williams e a Haas não tiverem as pessoas ou recursos para construir um chassi forte, isso resultaria principalmente em danos à imagem e irritação na Honda.

Um problema adicional é que a Honda praticamente desmantelou sua própria fábrica após romper sua parceria com a Red Bull. As melhores pessoas já saíram, então os substitutos precisam ser encontrados primeiro. Para estar no grid com uma unidade de potência que seja competitiva em 2026, parece já ser tarde demais para encontrá-los agora. Desde que eles estejam disponíveis.

Na verdade, a rota da Red Bull era a única que poderia manter a Honda na Fórmula 1. Essa rota agora foi cortada e com ela a seguinte conclusão parece justificada: a Honda se partiu ao meio e terá que pagar por isso com um lugar nas margens a partir de 2026.

Reprodutor de vídeo

Mais vídeos