Petrov não concorda com decisão da FIA e da F1: "É inaceitável"

F1 News

Petrov quer a Rússia de volta nas competições
22 de janeiro no 08:49
Última atualização 22 de janeiro no 09:09
  • GPblog.com

O ex-piloto de Fórmula 1, Vitaly Petrov, disse que, em sua opinião, nenhum campeonato é válido sem a participação da Rússia. Citado pelo Soymotor, o piloto russo critica bastante a FIA e a Fórmula 1 que, de acordo com ele, dificultam demais a participação dos russos.

Após a invasão da Rússia na Ucrânia em fevereiro de 2022, o mundo esportivo foi confrontado com a questão de como lidar com a situação. Alguns esportes - tais como patinação no gelo e tênis - decidiram excluir completamente os participantes russos. Embora a FIA e a Fórmula 1 não tenham ido tão longe, o Grande Prêmio da Rússia foi retirado do calendário e a Haas decidiu encerrar sua parceria com a principal patrocinadora (Uralkali) e o piloto Nikita Mazepin com efeito imediato. Os pilotos russos ainda podem competir nos campeonatos da FIA, mas não sob a bandeira russa - algo que já havia sido banido desde 2021 devido a um escândalo de doping envolvendo atletas do país - e eles também não podem expressar apoio à Rússia em relação à guerra na Ucrânia.

"Isto é inaceitável"

Para Petrov, tudo isso é inaceitável. O piloto, que de 2010 a 2012 se tornou o primeiro russo a correr na Fórmula 1, disse recentemente ao Sport-Express da Rússia que é hora de deixar essas regras de lado. "Sem a Rússia, eu não considero válido nenhum título ou campeão", disse Petrov. "Devemos parar de ter medo e deixar a Rússia voltar ao esporte mundial. Eu não entendo em absoluto o absurdo de algumas posições que eles tentam impor às pessoas. Para mim, isto é inaceitável".

Petrov encoraja a jovem geração de pilotos russos a serem pacientes e continuarem praticando. "Este isolamento não vai durar para sempre. Eu entendo que é complicado, mas ninguém deve jogar a toalha. Eles devem ser pacientes, treinar e continuar acreditando, para que quando a oportunidade surgir, todos nós estejamos prontos para voltar".