"Ainda temos um pequeno caminho a percorrer"

Fallows analisa o RB19 e faz autocrítica da Aston Martin

General

Fallows analisa o RB19 e faz autocrítica da Aston Martin
18 de maio no 03:22
Última atualização 18 de maio no 11:37
  • GPblog.com

Dan Fallows foi responsável pelo projeto do AMR23 na Aston Martin como chefe de aerodinâmica. O desempenho do carro está acima das expectativas, o que já rendeu quatro pódios e um segundo lugar provisório no campeonato de construtores. No entanto, Fallows sabe que ele precisa melhorar, pois a Red Bull Racing ainda é a referência.

Por enquanto, especialmente aos domingos, o estábulo de corrida austríaco é vários décimos por volta rápido demais para a equipe da Aston Martin. A equipe de Max Verstappen e Sergio Pérez é a referência e, portanto, de acordo com Fallows, a Aston Martin precisa "ver onde está em relação à Red Bull".

"Acho que o conceito da Red Bull evoluiu um pouco mais do que o nosso. Mudamos para um conceito completamente diferente no início do ano passado. Portanto, ainda estamos desenvolvendo isso. Achamos que demos um grande passo este ano, mas ainda temos um pequeno caminho a percorrer. E acho que, honestamente, eu não destacaria uma área como ponto fraco. Acho que precisamos melhorar tudo", disse Fallows ao Motorsport.com.

Aston Martin quer progredir

Portanto, o britânico de 49 anos, que foi o braço direito de Adrian Newey na Red Bull por muitos anos, acredita que há ainda mais potencial no desenvolvimento de carros na Aston Martin do que na atual líder do Campeonato Mundial de Construtores. Se isso é verdade e como isso se manifestará no futuro, poderemos ver nos próximos meses.

A Aston Martin ainda tem 37% a mais de tempo de desenvolvimento no túnel de vento do que a Red Bull até o final de junho (já que terminou apenas em sétimo lugar no campeonato mundial do ano passado), mas isso mudará no segundo semestre de 2023. A equipe britânica será classificada como a segunda colocada no campeonato mundial a partir de 1º de julho, o que significa que eles não poderão mais usar 100%, mas 75% do tempo.