F1 News

Domenicali: Não depende só de nós ter uma corrida na Alemanha

Domenicali: "Não depende só de nós ter uma corrida na Alemanha"

26 setembro - 16:57 Última atualização: 18:13
0 Comentários

GPblog.com

Não há mais um Grande Prêmio da Alemanha no calendário e também não está previsto uma corrida no país em 2023. Segundo o chefe da F1, Stefano Domenicali, isto se deve principalmente à falta de interesse dos próprios alemães.

A Alemanha é F1 e a F1 é a Alemanha

De fato, o próprio italiano adoraria ter um Grande Prêmio da Alemanha de volta no calendário. A Fórmula 1 sente uma forte ligação com a Alemanha e vice versa. Por exemplo, alguns dos maiores campeões da história da Fórmula 1 são alemães, se pensarmos em Michael Schumacher e Sebastian Vettel, mas também a equipe mais hegemônica da última década, a Mercedes, é uma fabricante de carros alemã. Com a entrada das 'marcas do Grupo Volkswagen', Audi e Porsche, a presença alemã na Fórmula 1 está apenas crescendo.

Não ter uma corrida na Alemanha é, portanto, não só lamentável, mas também notável. Ao jornal alemão Spiegel, Domenicali falou sobre o GP da Alemanha. Domenicali: "Se alguém quer um GP na Alemanha, sou eu. Eu simplesmente não vejo nenhum representante na Alemanha que queira sentar-se conosco e fazer uma sugestão construtiva". Portanto, de acordo com o chefe da F1, isso está inteiramente nas mãos dos próprios alemães. Ao mesmo tempo, a Fórmula 1 da Liberty Media está fazendo uma grande mudança da Europa para os Estados Unidos e o Oriente Médio. A França também está fora do calendário no próximo ano.

As mudanças na F1 não facilitam as coisas para a Alemanha

No Oriente Médio, as corridas na Arábia Saudita e no Qatar foram adicionadas. Nos EUA, além do GP de Austin, estão programadas as corridas do GP de Miami e do GP de Las Vegas. Em contraste, o GP da Bélgica manteve por pouco um lugar no calendário e o GP de Mônaco também foi um caso para discussão. Domenicali está ciente do turno: "Nós sabemos que o valor de uma corrida na Europa é diferente do valor de uma corrida em qualquer outro lugar do mundo. Se você quer ter um Picasso, você tem que gastar muito dinheiro".

Com este comentário, Domenicali quer dizer que o quadro financeiro na Alemanha não pode ser completado. Enquanto em Spa, Zandvoort e Spielberg há sempre arquibancadas cheias, esse não foi o caso na Alemanha por muito tempo. Domenicali também observa, a partir dos números de audiência, que o interesse pelo esporte está diminuindo no país. Ainda assim, o italiano diz: "Tenho certeza de que existe um modelo de receita funcional em um Grande Prêmio com uma base de fãs como na Alemanha. Minha porta está bem aberta para uma possível conversa".

Reprodutor de vídeo

Mais vídeos