Ben Sulayem fala da relação com a Liberty Media: "O campeonato é nosso"

Exclusive

ben sulayem, da liberty media, fala sobre a andretti
9 de outubro no 18:00
  • Ludo van Denderen

Com uma entrevista explosiva, Mohammed Ben Sulayem prejudicou ainda mais as relações entre a FIA e a Liberty Media, a Formula One Management (e, consequentemente, as equipes de F1). O ponto de discórdia continua sendo a possível entrada da Andretti-Cadillac. Ainda não se sabe como as palavras do presidente da FIA repercutirão na Liberty Media, na FOM e nas equipes.

Em primeiro lugar, uma pequena lição sobre relações públicas e porta-voz: se uma empresa, agência ou pessoa de destaque tiver uma mensagem importante para proclamar, um jornalista (amigável) é regularmente convidado a se sentar para uma entrevista exclusiva. Em geral, o jornalista vem de bom grado, especialmente se puder falar com uma pessoa ou parte muito importante. Ele então escreve com carinho as palavras do entrevistado, enquanto este, por sua vez, fica feliz com o espaço que lhe foi dado.

"O campeonato é nosso"

É bem provável que tenha sido assim que surgiu a conversa entre Mohammed Ben Sulayem e a agência de notícias Reuters no Catar. Afinal de contas, o presidente da FIA tinha uma mensagem clara a proclamar: ele parece, de fato, bastante farto da recusa da Fórmula 1 de não permitir a entrada da Andretti-Cadillac, e com uma entrevista de alto nível, ele queria indicar de uma vez por todas que ele e sua associação - ninguém mais - tomam as decisões. Como a Liberty Media, a FOM e as equipes não estão convencidas da necessidade de uma décima primeira equipe no grid, Ben Sulayem parece não ter mais nada a fazer. E o mundo inteiro agora sabe disso.

O que o chefe da FIA disse à Reuters sobre o debate em andamento sobre a permissão ou não da entrada da equipe americana na Fórmula 1? "Não somos um prestador de serviços. O campeonato é nosso. Nós o alugamos, somos o proprietário. Portanto, isso também precisa ser respeitado", disse Ben Sulayam à agência de notícias. Em outras palavras, se, de acordo com a FIA, a Andretti-Cadillac atender a todos os critérios de participação na Fórmula 1, a equipe conseguirá uma vaga.

Encurralada

Na entrevista, Ben Sulayem contradiz a ideia de que há uma disputa de poder entre a FIA, por um lado, e a FOM e a Liberty Media, do outro. Ele também diz: "Minha intenção nunca foi envergonhar ou colocar alguém em um canto, seja a Liberty ou a FOM. Estou aqui pelo espírito do esporte". No entanto, com suas declarações, é exatamente isso que Ben Sulayem está fazendo: a Liberty Media, a FOM e, portanto, as equipes de F1 têm pouca escolha a não ser ceder à FIA e dar as boas-vindas à Andretti-Cadillac. Porque, caso contrário... o que mais?

Ben Sulayem confirma que, teoricamente, é possível que a Andretti-Cadillac corra nos Grandes Prêmios, mas não cofinancie o prêmio nem gere outras receitas da FOM e da Liberty Media - deixando de lado a possibilidade de os americanos quererem correr na F1 dessa forma. "Esperamos que não. Mas isso poderia acontecer. Pode acontecer", disse o presidente sobre essa possibilidade. Sem dúvida, ele está curioso para saber qual será a reação da Liberty Media e da FOM. É provável que o pessoal de relações públicas deles esteja agora lançando algumas frases para a imprensa...